Onde estamos em relação ao que buscamos?

E de repente estamos todos nós navegando em águas revoltas, um acelerador de futuros chegou, e colocou em xeque nossos projetos e planos. Se consideramos a vida como um projeto de longo prazo, temos que considerar nossos objetivos e metas, ações e resultados.

Na teoria é bem simples, quando fatores externos interferem no que foi planejado, o caminho é analisar os fatores e reajustar as ações para continuar se buscando os objetivos desejados.

Eu sei que na prática lidamos com emoções nossas e do entorno e um contexto de injustiças sociais, iniquidades e perversidades sistêmicas que se tornaram justificativa para muitos, para se viver de conflito em conflito, nos fragmentando cada vez mais, enquanto um pequeno grupo se ocupa de aproveitar nossa distração nos conflitos e arrocham cada vez mais os mais vulneráveis,

Vou partir do pressuposto de que o objetivo principal da humanidade é a civilização, e para se alcançar o nível de civilização almejado, a equidade, é preciso fraternidade, empatia, é preciso que cada indivíduo faça sua parte. E para que cada um faça a sua parte é preciso se ter clareza do que defende e de que ações individuais são possíveis de serem realizada por nós quanto indivíduos (e quanto coletivos, nos grupos que nos conectamos).

E um passo importante é nos auto avaliarmos, dentro desses objetivos, pois,  podemos estar estagnados, convencidos de que precisamos de uma mudança sistêmica, mas sem nenhum projeto ou ação para contribuir para que isso aconteça, e quando estamos nesse lugar é natural que nos incomodemos pelas pessoas que estão atuando, que estão em movimento. No fundo é uma dor, por sabermos que podíamos dar nossa contribuição, mas, estamos tomados pela revolta e não conseguimos nos conectar com os objetivos, metas, ações e nem com outras pessoas para nos movimentarmos, esquecemos que temos uma diversidade de habilidades e que todas as ações tem reflexo no mundo, não importa o tamanho.

Se há hoje um grande movimento com a construção de redes de solidariedade em varias frentes, é porque tem muita gente que dentro de seu processo de aprendizado, e as que já possuem um certo grau de experiencia, estão cientes de que sua colaboração fazem a diferença, e que podemos enfrentar essas condições críticas e aproveitar para construir pontes para mudanças possíveis.

As qualidades das pessoas estão muito além das destacadas no gráfico, mas essas, são dicas preciosas para que saibamos como está o nosso protagonismo no processo de mudança das nossas vidas e da nossa contribuição nas mudanças que buscamos na sociedade.  Todas somos aprendizes, e todos estamos contribuindo de alguma forma mesmo que seja na manutenção da situação atual, não há nenhum de nós que não influencie de alguma forma a vida de outras pessoas, o que está em questão, é de que forma queremos exercer essa influencia e que atitudes temos para isso.

E para nos inspirar deixo o exemplo de três dos mais importantes líderes da humanidade, Mahatma Gandhi, Nelson Mandela e Martin Luther King, que  nos deixaram valiosas lições, eles tinham grandes sonhos de mudança, tinham objetivos claros, e mesmo sob as circunstancias mais adversas eles tiveram perseverança, superaram as barreiras em prol de um objetivo de longo prazo, leiam as biografias, são surpreendentes.

E todos eles tinham a virtude da fraternidade, da empatia, da conexão com as outras pessoas, e da integridade, de agir de acordo com sua ética independente do contexto e ameaças que enfrentaram.

Então, que exemplos inspirem a cada um de nós, para perseveramos em nossos objetivos de criação de uma nova sociedade e cultivarmos a paz, a nossa integridade e ética, mesmo em meio a tantas intempéries.